O Tarot di Bertazzi -

 

CARTA XII - LUCIDEZ

Um único instante de iluminaçao. Um breve insight ou um mergulho profundo na essência de todo o Cosmos.

Nosso personagem, centralizado na totalidade de carta, está também centralizado em sua própria existência, em estado de êxtase absoluto. Contempla sem julgamentos o exato espaço e porção do tempo em que se encontra. Enxerga em todas as direções e mostra as palmas das mãos em sinal de recepcitividade, está aberto á plenitude. Carrega no peito um olho flamejante, um dos seis olhos que ilustram este arcano, olho também em posição central da carta. Queima ao vislumbrar a infinitude de possibilidades que desfila diante de si.

O sorriso sereno, estampado em seu rosto resplandecente, nos passa uma impressão de gozo vital.

 

Não há excessos, nem de alegria muito menos de qualquer tipo de tristeza ou preocupação. Seu olhar profundo enxerga muito além do véu de aparências e ilusões materiais. O terceiro olho, arregalado na testa, filtra toda informação que absorve e sua cabeça se abre em chamas. É um sinal que seu espírito e intelecto psíquico operam em profunda harmonia. Dois olhos flutuam, um à sua direita e outro à sua esquerda, nos mostrando que nada lhe escapa aos olhos.

Flutua sobre uma orbe, que representa o mundo real e físico em que habitamos. 

Seu brilho espetacular espanta e afasta as nuvens pesadas que chegaram junto com o arcano anterior O Encosto. Ao contrário da carta anterior, nosso personagem está ereto, leve e desimpedido. É comandado apenas pelo fluxo universal constante.

Um xícara de café preto e forte orbita no lado direito da ilustração. Num futuro próximo, quando o estado de lucidez passar ( ele não se mantém ) e o torpor retonar, a xícara de café servirá como subterfúgio, uma forma de relembrar, pelo menos em fragmentos, o estado de lucidez vivido.